Tag Archives: Zeroes

NEWS – Continuação de Zeroes já tem título e sinopse!

3 fev

11001827_942802729072475_419207849299470511_n

A continuação de Zeroes já está em pré venda via ebook nas lojas Amazon Brasil e Kobo!

O segundo livro da trilogia se chamará Swarm e será lançado dia 27 de Setembro de 2016!

Os sites de venda divulgaram a sinopse:

Uma leitura cheia de aventura e imparável de Scott Westerfeld, autor da Série Feios, bestseller do New York Times.

Todo poder tem um lado sombrio.

É temporada de férias, mas a comemoração dos Zeroes em uma boate alternativa é estragada quando uma dupla de estranhos com novos poderes assume a pista de dança. Os Zeroes os persegue e confronta, só para descobrir que estão entrando em um poder ainda mais sinistro, o Swarm (o Enxame), que usa a raiva da multidão para matar – e que ama matar Zeroes.

Os Zeroes se defendem da melhor forma que podem, descobrindo mais sobre seus inimigos por meio de uma série de desastres de multidão – um casamento de celebridade destruído, um banho de sangue em um shopping center, e um funeral para uma das vítimas do Enxame que dá muito, muito errado. Enquanto isso, cada um dos Zeroes tem seu peixe para fritar. A confiança de Bellwether é desafiada pelo Enxame, enquanto Mob se encontra atraída pela multidão assassina. A consciência de Crash – e seu coração – está se ajustando, e Anon e Scam encaram as duras verdades sobre família e sentimento de pertencimento. Flicker deve tomar as rédeas do grupo e liderar os Zeroes para um confronto final com o exército do Enxame.

TRAD – Livro de YA Britânico Favorito do Time Zeroes

6 out

ZEROES-EUA-AUS-UK

Postado originalmente no site Queen of Contemporary.

Zeroes é o livro mais recentemente de Scott Westerfeld, autor da best-selling trilogia Feios, em colaboração com Margo Lanagan e Deborah Biancotti.

Para comemorar o lançamento do livro, pensei que seria divertido perguntar aos três autores seus livros favoritos de young adult (romance para jovens adultos) britânico.

Livros do Scott:

  1. Noughts and Crosses (Jogo da Velha) de Malorie Blackman tem mais de dez anos de idade agora, mas eu só li recentemente. É uma distopia muito convincente porque não está tão longe do nosso mundo e deixa explicito como o pessoal é político e vice e versa. Sacrifícios têm que ser feitos pela revolução! Adicione o convincente casal Romeo & Julieta de Callum e Sephy e você tem o meu tipo de livro.
  2. Também sou um enorme fã do livro Hungry Cities Chronicles de Philip Reeve. Permita-me citar a primeira frase do livro um, Mortal Engines: “It was a dark, blustery afternoon in spring, and the city of London was chasing a small mining town across the dried-out bed of the old North Sea.” (“Era uma tarde escura, tempestuoso na primavera, e a cidade de Londres estava perseguindo uma cidade pequena de mineração através da cama seca do velho Mar do Norte.” – Tradução livre de SWBr) Não consigo imaginar ninguém lendo essa frase e parando. Apenas não consigo.

Livros da Deb:

  1. Eu adoro crimes britânicos até a morte, então imagine minha emoção quando descobri crime ADOLESCENTE britânico. Meu Deus. Primeiro, escolho Heart-Shaped Bruise de Tanya Byrne: a história de Emily Koll, que está detida em uma instituição psiquiátrica esperando julgamento. Ela é assustadora, mas é louca? Este é um mistério psicológico incrível, inteligente, afiado, doloroso e sombriamente engraçado. ME deixou louca tentando adivinhar o crime da Emily. “Everywhere I go, I try to leave a piece of myself behind.” (“Onde quer que eu vá, tento deixar um pedaço de mim para trás.” – Tradução livre de SWBr)
  1. E outro crime (é claro): Revolver de Marcus Sedgwick. Uau! Esse primeiro capítulo! Situado no círculo polar ártico (Nota: histórias contadas em paisagens geladas também são um gênero favorito pessoal meu), a história de Sig e seu pai já morto e congelado salta entre 1899, 1910 e, finalmente, 1967 (em pós-escrito) é arrepiante e completo, como a sua paisagem. É um livro curto, mas seus temas são enormes: vingança, perda e violência. “If. The smallest word, which raises the biggest questions.” (“Se. A menor das palavras, que cria as maiores perguntas.” – Tradução livre de SWBr)

Livros da Margo:

  1. Maggot Moon, de Sally Gardner. Eu amei o Standish Treadwell, o poético disléxico no centro deste livro. Fiquei tão aliviada que ele encontrou um amigo como Hector, que gosta de sua imaginação exagerada. E a visão de uma Grã Betânia alternativa dos anos 50, violenta e injusta, onde esses dois meninos fazem o que podem para permanecerem civilizados totalmente me assusta.
  1. A Série Pennington de K. M. Peyton: Os livros Seventeenth Summer, The Beethoven Medal e Pennington’s Heir da Série Pennington. Esses são livros dos anos 70, mas vendo as resenhas recentes no Goodreads eles continuam tão apelativos para qualquer pessoa no Ensino Médio quanto antes. Relacionamentos brilhantemente desenvolvidos, e todos as delícias, calmarias, constrangimentos e terrores de passar de adolescente a adulto.

TRAD – 9 Heróis Incríveis dos livros, da TV e do Cinema

2 out

Postado originalmente no site Bart’s Bookshelf.

Para comemorar seu novo livro Zeroes os autores, Margo Lanagan, Deborah Biancotti, & Scott Westefeld pararam por aqui para falar sobre alguns de seus heróis favoritos de livros, da TV e do Cinema!

Descubra mais sobre o livro no final deste post, mas primeiro os heróis!


Margo Lanagan

Margo Lanagan é a autora de Tender Morsels, e ganhou vários prêmios, incluindo quatro da World Fantasy Awards, por seu trabalho. Dois dos seus livros são livros do Michael L. Printz Honor e ela foi indicada para os prêmios Hugo e Nebula e para o Los Angeles Times Book Prize na seção de jovens adultos. Visite Margo no seu blog, http://www.amongamidwhile. blogspot.com, ou siga-a no Twitter @margolanagan.

Livros

Mega Girl

Eu escolhi a Mega-Girl (Alison Green), do comic book Strong Female Protagonist de Brennan Lee Mulligan e Molly Ostertag. Ela é super forte, invencível, e, bem, meio que de saco cheio de ser uma super heroína, mas sua consciência social continua a levá-la de volta a fazer coisas de super herói. Suas batalhas com bandidos, e consigo mesma, são realmente muito perto do que fizemos em Zeroes. Ela é definitivamente uma super heroína para o século 21.

TV

Mr Norrell

O “Melhor Mago da Inglaterra” se qualifica como super herói? Eu escolho o Sr. Norrell, interpretado por Eddie Marsan em Jonathan Strange and Mr Norrell. Eu gosto de como ele tenta desesperadamente e sem sucesso manter a magia inglesa respeitável. Eu gosto que ele é pequeno, e mantém um exterior intensamente comum, e se move com grande dificuldade — que as roupas do começo do século dezenove fazem ele parece algum tipo de animal tímido de Wind in the Willows, especialmente quando sua peruca está um pouco bagunçada. E então ele sussurra em uma vela e o ar começa a girar e Algo Horrível Acontece.

Cinema

Birdman

Eu tenho um histórico tristemente limitado em assistir filmes de super heróis. Vou com o meta-super herói Birdman, interpretado por Michael Keaton. Ele assombra e insulta aquele pobre ator inseguro, bem como incita-o a empurrar através das besteiras e se esforçar mais. Ele é uma grande ilustração de como uma pessoa pode se identificar com um super-herói fortemente o suficiente para absorver algumas qualidades de super-herói em sua psique da vida real.


DEBORAH BIANCOTTI

Deborah Biancotti escreveu dois contos em coletâneas, e foi nomeada para o Shirley Jackson Award e ao William L Crawford Award por Melhor Primeiro Livro de Fantasia.
Você pode encontrá-la online no deborahbiancotti.com ou no Twitter @deborah_b.

Livros

Spiderman

Homem Aranha sempre tem que estar na minha lista, porque eu amo o Homem Aranha. Estou falando dos quadrinhos dos anos 70s, com o Peter Parker oficial: o bagunceiro que mal consegue manter um emprego e tinha aquele senso de humor que o tornava tão adorável.

TV

Nathan

Nathan da série de TV Misfits. Porque ele é hilário, e também tem uma diversão incrível tentando descobrir qual era o seu poder. E quando nós DESCOBRIMOS — ho, cara! Embora eu tenha que admitir que ao final da série, Simon tinha se tornado meu favorito, mas por razões cheias de spoiler.

Cinema

Ripley

Ripley dos filmes Alien. Tecnicamente não é um filme de super herói porque ela é totalmente humana (bem, no começo…). Mas Ripley é quase sobrenaturalmente capaz e determinada. Além disso, no quarto filme ela sangra ácido. Quem não gostaria de sangrar ácido?


Scott Westerfeld

Scott Westerfeld é o autor de livros para adultos e adolescentes, incluindo o sucesso de vendas global Série Feios, e o sucesso de vendas do New York Times, Afterworlds. Scott divide seu tempo entre Sydney e Nova York. Visite Scott em seu blog no http://www.scottwesterfeld.com ou o siga no Twitter @scottwesterfeld.

Livros

Daredevil

Demolidor é meu quadrinho de super herói favorito, principalmente porque ele é cego e compensa isso com seus outros sentidos. Personagens que percebem o mundo de modo diferente deixam a leitura transformadora, porque eles mudam o modo como eu percebo o mundo. Livros não são, afinal, máquinas para se tornar outras pessoas que são os mais diferentes de mim quanto possível? Demolidor (junto com Homem Aranha) é também porquê sou de Nova York, porque NYC é todos aqueles telhados e gárgulas.

TV

Spock

Spock (Star Trek) não é tecnicamente um super herói, mas o cara é super forte e tem sangue verde e é quase imune a maioria das doenças humanas, mas na maioria das vezes ele tem brio. Tipo, ao invés de usar sua super força para bater em alguém, ele apenas belisca um nervo para fazê-las desmaiar. Ter super força é legal, mas decidir o que fazer resolver as coisas batendo nas pessoas é pobre? Muito mais legal. Além disso, meu eu adolescente ansiava pela capacidade de desligar minhas emoções, ou pelo menos tranquilizá-las quando elas ficavam muito intensas. Enquanto adolescentes, ISSO teria sido o super poder mais útil de todos.

Cinema

Wonder Woman

Mulher Maravilha, porque ela é uma princesa guerreira grega que voo em uma jato invisível. Apenas deixe isso digerir. Além disso, ela tem um laço da verdade, e realmente é verdade que isso está quase extinto no mundo, não força ou ser à prova de balas ou raios ultra vermelho.

Claro, talvez não tenha tido um bom filme da Mulher Maravilha feito ainda, mas UM DIA HAVERÁ. Talvez em 2017, talvez muitos, muitos anos daqui. Às  vezes, a espera vale a pena.


ZeroesZeroes é a nova trilogia explosiva e rápida das vencedoras de prêmios e do sucesso de vendas internacional, o auotr Scott Westerfeld com co-escritoras Margo Lanagan e Deborah Biancott.

Quem são os Zeroes? Eles são seis adolescentes com novos tipos de super poderes. Todos nascidos nos anos 2000, eles moram em Cambria, Califórnia. Suas habilidades os torna tua menos heróis – até que uma crise de alto risco muda tudo.

  • Scan – a voz dentro de sua cabeça diz o que você quiser ouvir.
  • Crash– domina a tecnologia.
  • Anon – fora de vista, fora da sua mente.
  • Flicker – pode ver atrás dos olhos de qualquer um, menos dos próprios.
  • Bellwether – foca a energia do grupo em um único objetivo… encontrar mais um Zero

NEWS – Time Zeroes em Santa Mônica, EUA

1 out

Ontem (29), foi o lançamento oficial de ‪#‎Zeroes‬ nos EUA e os autores participaram do primeiro evento no país em Santa Mônica!

CQHaVzQUkAA8RjD.jpg large Continue lendo

NEWS – Lançamento de Zeroes em Sydney, AUS

24 set

Dia 22 de Setembro, foi o lançamento oficial de ‪#‎Zeroes‬ na Livraria Kinokuniya em Sydney, Austrália!

Time Zeroes conversou com os leitores, autografou livros e tirou muitas fotos! *-*-*

Momento alto da noite foi quando o Scott Westerfeld disse: “Matar seus próprios queridinhos é terrível, matar os queridinhos da Margo Lanagan é ÓTIMO.” Ao que o autor Garth Nix, que também mora na Austrália, tirou uma foto da Margo olhando pro Scott ‪#‎chateada‬ rs

Justine Larbalestier também foi ao lançamento do livro e até mostrou uma cópia-teste de seu novo livro “My Sister Rosa” que será lançado em Fevereiro de 2016 na Austrália. 12038313_3723387971103846_7223961522366788434_n12036980_3723389454437031_6563005064683701447_n 12039360_3723387954437181_2039891498888451815_n  12046761_3723387947770515_1946369995102253479_n CPfp8YvUwAAxEC1.jpg large 12043120_3723392477770062_3704735563307095113_n

NEWS – Time Zeroes dá entrevista pra rádio

24 set

Dia 8 de Setembro, o Scott Westerfeld, a Margo Lanagan e a Deborah Biancotti, deram uma entrevista para a rádio australiana ABC no programa “Books & Arts Daily” falando sobre o livro Zeroes.

Curiosidade: o Scott se barbeou especialmente para participar do programa para que a voz dele não soasse muito “imunda”.

 12006174_3714195475356429_293798794554920030_n12003152_3714195468689763_5671619435876591290_n

TRAD – Zerando uma ótima estória

14 set

Entrevista com a escritora Margo Lanagan para o site Chapter 16. Veja a entrevista na íntegra aqui.

zeroing - chapter 16

Pode parecer que pegar três escritores aclamados para escrever um romance seria pedir por superpoderes, mas, ao que parece, tudo que é necessário é o trabalho duro de meros mortais – além disso, muita comunicação e senso de aventura. Zeroes, chegando às livrarias no final de setembro, é o resultado de esforços colaborativos das escritoras autralianas Margo Lanagan e Deborah Biancotti, assim como de Scott Westerfeld, que divide seu tempo entre Nova York e Austrália.

O livro é uma ritmada estória de super heróis adolescentes, quais os poderes – bem diferente daqueles que você lê em qualquer outro romance de super herói – são tão frustrantes quanto potentes. Scam, por exemplo, pode falar numa voz que diz às pessoas precisamente o que elas querem ouvir. Flicker é cega, mas pode ver pelos outros dos outros, enquanto Crash pode destruir a tecnologia nos locais. Esses três são parte de um grupo de jovens desajustados cujos talentos para a manipulação, enquanto eles se unem para lutar contra um novo inimigo e passam a entender seus poderes.

Margo Lanagan, autor de contos e romances de jovens adultos ganhadores do prêmios World Fantasy Award, recentemente respondeu perguntas do Chapter 16 via emai anteriormente à aparição dos autores no Southern Festival of Books:

Chapter 16: Scott Westerfeld descreve os protagonistas do livro como “seis crianças com superpoderes que são meio que um saco.” Essa é uma descrição apta. De quem foi a ideia deste livro? Quem se aproximou de quem primeiro?

Margo Lanagan: Scott esteve pensando sobre um dos super poderes (a voz do Scam) por longo tempo, mas o que o motivou a sugerir a série foi ler a coleção de contos da Deb [Deborah Biancotti],  Bad Power, que envolveu pessoas tendo superpoderes que eram meio que um saco – ou pelo menos, ter super poderes mas sem um forte equilíbrio moral para se certificar de que sempre fossem usados para o bem. Os dois começaram a cozinhar a série e pediram para eu me juntar a eles.

Nós queríamos que os poderes fossem bem legais de alguma forma e apenas uma chateação de várias outras formas – para fazer a vida cotidiana problemática para os personagens. Por exemplo, o poder da Crash é desligar a tecnologia, mas ela sendo boa e não quebrar tudo, a pressão de todos os eletrônicos ao redor dela é fisicamente e mentalmente dolorosa. Ela mal consegue funcionar em ambientes de alta tecnologia, então isso limita a gama de lugares que ela consegue lidar com a carga de eletrônicos.

Chapter 16: Como vocês três colaboraram com este romance? Vocês designaram persoonagens/capítulos uns aos outros?

Lanagan: Nós idealizamos seis personagens, e cada um argumenta dois deles – e aqueles dois serão “nossos” por toda a trilogia. Quando estamos elaborando o roteiro, nos reunimos cara a cara e discutimos por vários dias, nos certificando de que mantemos todos os seis personagens à vista. E uma vez que terminar o roteiro, nós nos separamos para escrever os capítulos dos nossos personagens. Então nós circulamos os capítulos e damos uns aos outros nossos créditos de dois centavos por cada capítulo, enquanto decidimos como a história irá funcionar como um todo.

Chapter 16: O livro está sendo vendido e divulgado na Austrália também? Deb é Australiana também, certo?

Lanagan: Sim, Deb é Australiana. (E Scott é quase Australiano. Ele é definitivamente considerado um autor australiano em termo do cenário do gênero aqui.) O livro está saindo na Austrália e no Reino Unido ao mesmo tempo que chega nas prateleiras dos Estados Unidos.

Chapter 16: Falando nisso, você pode falar um pouco sobre as maiores diferenças entre publicas ficção de jovens adultos na Austrália e nos Estados Unidos? Você vê diferenças, por exemplo, nos leitores e nas preferências deles?

Lanagan: Bem, a população da Austrália é um décimo da população dos Estados Unidos, os leitores também são um décimo, então a escala é bem diferente. Acho que o gênero jovem adulto apela para o mesmo perfil demográfico de pessoas na Austrália e nos Estados Unidos – por exemplo, não são apenas jovens que o leem, mas existem um número substancial de leitores em geral também. O mercado Australiano pega muito do jovem adulto dos Estados Unidos e do Reino Unido e há realmente uma comunidade saudável de escritores de livros de jovens adultos na Austrália e na Nova Zelândia, muitos dos quais não chegam aos mercados internacionais. ❤

Chapter 16: O que significa para você ser honrada pela Associação Americana de Livreiros, como você foi em 2009 com o prêmio Printz Honor por Tender Morsels?

Lanagan: Oh, é assustador que minhas histórias alcançaram tão longe e fizeram tanto impacto! É uma tremenda afirmação do que eu estou fazendo – algo que lembra a mim mesma de que quando estou trabalhando demais e me sentindo como se nada que eu escrevo está funciona ou valendo a pena.

Chapter 16: Vocês já começaram o segundo livro de Zeroes?

Lanagan: Se começamos? Nós teremos entregado esse bebê na editora antes de sairmos para nossa turnê nos Estados Unidos no final de Setembro. Algumas pontas soltas terão que ser aparadas ainda – faremos isso quando voltarmos para a Austrália – mas teremos feito a maior parte do trabalho pesado.

Chapter 16: Essa será sua primeira vez em Nashville ou até no estado de Tennessee? Está ansiosa sobre alguma coisa em particular no festival de livro?

Lanagan: Esta é minha primeira vez no Tennessee. Tendo feito uma Conferência em Nova Orleans em 2006, esta é minha primeira vez no Sul. Eu planejo uma longa jornada pelo hall dos exibidores para ver o que está acontecendo. Assim como descobrir alguns livros Sulistas para explorar, estou ansiosa para descobrir o que os convidados Michael Crummey, Geraldine Brooks, David Levithan, e Ron Rash estiveram fazendo recentemente.

Chapter 16: OK, isso pede para perguntar: Se você pudesse ter qualquer superpoder, qual seria, um saco ou outro?

Lanagan: Eu quero o que o Homem de Plástico conseguiu – o poder de existir em estado líquido ou sólido, de assumir qualquer forma, e de me esticar e encolher meu corpo a qualquer grau que eu quiser. Com esse poder, eu poderia, por exemplo, ficar confortável em um assento de avião. Além disso, força superhumana sempre será útil para alguma coisa, não acha? E seria ótimo ser imune a ataques telepáticos. Você apenas nunca sabe quando esses sorrateiros telepatas irão tentar invadir suas defesas.