TRAD – Entrevista com Scott Westerfeld – blog Suvudu

2 set

Por MATT STAGGS em 7 DE MARÇO, 2012 no BLOG SUVUDU

An Interview with Scott Westerfield: ‘Uglies: Shay’s Story’

Recentemente, tive o grande prazer de falar com o autor Scott Westerfield sobre o novo mangá Uglies: Shay’s Story, um conto original da saga Feios. Como os leitores devem se lembrar, Shay, do romance original, nunca teve sua história contada até agora. Quando estiver acabado, os leitores nunca mais verão a série Feios exatamente do mesmo jeito.

Westerfield e eu discutimos como é trabalhar com o talentoso Devin Grayson e Steven Cummings, seu amor por mangá, e porquê ele gosta de escrever para jovens leitores.

Você não fala diretamente com crianças, e eu aposto que você tem muita fé nos jovens leitores. Estou certo?

Adolescentes são muito bons leitores. Eles leem com mais foco do que adultos, e são mais interessados por idiomas. No dado momento, os adolescentes estão aprendendo mais idiomas estrangeiros, gerando gírias e nicknames, escrevendo poesia, e memorizando letras de músicas do que os adultos. Assim, eles são divertidos de desafiar linguisticamente. Escritores para adultos estão sempre se preocupam em jogá-los “para fora da história” se o idioma se torna muito barato. Crianças são muito menos frágeis. Posso enlouquecer com gírias e neologismos inventados, e estar certamente confiante de que meus leitores terão seus amigos falando linguagem-de-perfeito logo que lerem o livro.

Você alguma vez sente como se estivesse escrevendo para os adultos que essas crianças serão?

Estou mais escrevendo para a criança que este adulto costumava ser.

Você deve ter sido inspirado por algumas coisas que costumava ler quando era adolescente. Quais são?

Eu lia na maioria ficção científica. A trilogia Os Trípodes de John Christopher, em particular, foi influência na série Feios. Provavelmente, também fui influenciado por RPGs (roleplaying games). O processo de jogar minhas próprias aventuras, oralmente e colaborativamente, foi a chave para me desenvolver como contador de histórias.

Como a ideia de levar o universo Feios ao formato de história em quadrinhos se formou? De quem foi esta ideia?

Estive esperando para fazer isso por um longo tempo, e finalmente os direitos se tornaram disponíveis quando o contrato do filme estava mudando para um novo estúdio, então meu agente entrou nesse e os separou. Também tinha desejado escrever algo do ponto de vista da Shay por algum tempo. Ela é um personagem secundário nos livros, às vezes uma ajudante e às vezes uma inimiga, e sempre fui encorajei os leitores a verem a história da perspectiva dela, simplesmente como um exercício. Como Robin Wasserman (Book of Blood and Shadow) disse, ajudantes são heróis presos à história de outra pessoa. Esse é um lugar bem interessante de se estar.

Me preocupei que escrever um romance do ponto de vista da Shay poderia ser meio chato, perto demais do original. Mas tendo ambos um meio e um novo POV deu ao projeto vida e direção própria.

Você era um leitor de histórias em quadrinho? O que há no formato visual de contar histórias que atrai as mentes juvenis? Você inicialmente achou que seria uma boa combinação para sua história?

Eu lia DemolidorCapitão América e Lanterna Verde quando criança, e li muito mangá agora: Full Metal Alchmist,Death NoteNana. Decidi que mangá seria melhor para Feios porque você pode denotar a beleza do personagem com códigos visuais – brilhos ou o que for – melhor do que tentar desenhar a própria beleza. (Nota: Nós não usamos brilhos. É mais sobre cabelo, altura e parecer mais velho.)

Eles realmente levaram as grandes armas para Uglies: Shay’s Story. Quão próximo você trabalhar com
Devin Grayson e Steven Cummings? Como é o processo de trabalho?

Entrei com a compressão de que eu não saber escrever quadrinhos, e que eu estava lá para aprender com esses artistas. (E li Scott McCloud, é claro.) Devin é mais conhecido por seu trabalho em Robin, então eu sabia que ela gostar de ajudantes como Shay era importante. Também amava o trabalho dele em USER, e percebi que ela podia às vezes conseguir bem as dinâmicas brutais entre Shay e Tally.  Eu, basicamente, escrevi uma extensa outline, e a deixei fazer o primeiro rascunho do roteiro, o qual eu, depois, editei. Foi uma ótima oportunidade de ver essa transformação da história em roteiro.

Steven é ótimo em natureza e cidades. Um dos temas chave em Feios é a relação entre cidade e a selva. A ideia de que a natureza não precisa de uma operação para ser bela, apenas é, é uma das coisas que continua surgindo. De fato, todos os quatro livros começa na cidade e envolve uma jornada através da selva, antes de acabar de volta na cidade de novo. Então Steve foi perfeito por isso.(As Ruínas de Ferrugem estão incríveis, e há uma de duas páginas de uma floresta que é fantástica.)

Eu aprovei todas as páginas em ambos estágios, de pincel e tinta, e então de novo quando Yishan Li elegantemente as tonalizou. Houve muito diálogo entre todos nós sobre como os personagens, tecnologia, arquitetura, e roupas deveriam parecer. Isso realmente é sobre construir um mundo. No livro dois, apenas fazer os novos perfeitos de manhã foi um sério trabalho.

Como a história de Shay se encaixa na trilogia do universo estabilizado de Feios? A história de Shay corre lado a lado com a de Tally?

Começa seis meses antes, quando Shay e Tally ainda não se conheceram. O incidente inocial é quando Shay conhece Zane, líder do recente Crims, no passado quando eram feios. Então há muita história do passado antes de chegarmos à timeline do romance original.

Uma coisa interessante acontece, então. Não percebi o quanto foi pequeno o período em que Shay e Tally passaram juntas. Shay está geralmente saindo na frente de Tally. Se ela vai à Fumaça ou Nova Perfeição, ou se juntar às Circunstâncias Especiais, ela está sempre na frente. Então há realmente outro monte de conflitos e desafios para explorar. E em muitos casos o que acontecia fora de cena nos romances era realmente bem diferente do que os leitores devem ter pensado.

Shay é um tipo de personagem diferente de Tally. Como foi pular dentro e examinar seu universo com par de olhos diferentes?

Tally é uma revolucionária relutante, que é levado a este conflito entre as autoridades da cidade e seus dissidentes contra sua vontade.  Ela cresce pela ocasião, mas os livros são sobre aprender enquanto você é levado junto pela história, e escolher lados pelo caminho.

Shay é muito mais ativa do que Tally, porém. Ela é uma rebelde nata, que empurra todos perto dela mais rápido do que eles querem ir. (Ela é o motivo de Tally chegar ao ponto em que chega.) Então a história de Shay tem muito mais momentos, e muito mais fisicalidade. Ela está no time de prancha do dormitório, por exemplo, e sua viagem para a selva é cheia de mais ousadia do que a Tally. Shay realmente é um personagem melhor para histórias em quadrinhos, porque ela passa menos tempo em sua própria cabeça e mais tempo, tipo, andando de prancha.

Onde vai a partir daqui? Podemos esperar mais histórias em quadrinho no futuro?

Haverá três mangás de Feios, contando a história da trilogia original. Também estou trabalhando em uma história original em formato de quadrinhos, mas isso tudo ainda é segredo.

Última pergunta: seus pais não me perdoariam se não perguntasse pelo filme Feios. Alguma notícia a compartilhar?

Acabei de receber uma rodada de perguntas do roterista, que tem sido muito bom em me manter informado. Ele espera ter um primeiro rascunho dia 23 de março, no dia em que lança Jogos Vorazes. (Coincidência? Acho que não.)

Fonte: Suvudu

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: